Em um gesto histórico, o G20 coloca a cultura em sua agenda pela primeira vez

UNESCO

Em sua reunião, os ministros da cultura discutiram os desafios sem precedentes colocados pela pandemia e reforçaram a participação pública nas principais questões de desenvolvimento que foram destacadas. Pela primeira vez na história do G20, a cultura foi colocada no centro das discussões como um componente-chave da recuperação econômica e social, aproveitando o impulso gerado pelo Fórum de Ministros da Cultura que a UNESCO convocou em novembro de 2019.

Repensar o futuro da cultura significa vê-la como muito mais do que um setor econômico. É uma necessidade global que apóia todos os aspectos de nossa sociedade. Não é um custo, é um propósito. Não deve ser deixado de fora dos esforços de recuperação, mas deve ser uma parte central deles

Audrey Azoulay, Diretora Geral da UNESCO

O setor cultural é um dos mais afetados pela crise da saúde . Na maioria dos países, a pandemia serviu como uma verificação da realidade, expondo vulnerabilidades pré-existentes, notadamente no setor cultural, mas também revelou sua imensa contribuição para a recuperação de economias e sociedades. Num mundo cada vez mais interdependente, os ministros relembraram a importância da cultura para o diálogo internacional, referindo-se em particular à diplomacia cultural como nexo de entendimento, tal como afirma a Arábia Saudita, como componente fundamental das relações. conforme sublinhado pela China, mas também como um pilar importante da estabilidade económica, conforme recordado pela Federação Russa.

Como a diversidade cultural é um componente intrínseco de nossa sociedade, as políticas públicas devem abarcar as múltiplas identidades culturais de nossas comunidades e promover o reconhecimento e o respeito à diversidade cultural e aos direitos , inclusive os dos povos indígenas, declararam vários países. , incluindo México e Austrália. Muitos países reiteraram seu compromisso com as convenções e convenções culturais da UNESCO como instrumentos para enfrentar as crescentes ameaças ao patrimônio cultural causadas por conflitos, mudanças climáticas e tráfico ilícito. Vários participantes, incluindo a União Europeia, reconheceram que tornar o setor cultural mais ecológico e aproveitar o seu potencial para promover a adaptação ao clima eram objetivos essenciais.

A adaptação à transformação digital – uma tendência pré-existente que se acelerou devido à pandemia COVID-19 – é uma das principais prioridades das políticas culturais.A maioria dos países participantes destacou as oportunidades oferecidas pelas tecnologias digitais, em particular no que diz respeito à acessibilidade e inovação. O Japão e a República da Coréia também identificaram o desafio de superar as persistentes desigualdades no acesso aos recursos digitais. Alguns países, como o Canadá, expressaram seu forte compromisso de reformar suas políticas para melhor proteger a diversidade cultural online e garantir uma remuneração justa para as produções culturais. Outros, incluindo a Indonésia, destacaram a necessidade de melhorar a digitalização de material cultural para garantir um acesso mais equitativo.

Os modelos econômicos devem ser renovados e estabilizados. Levando em consideração os efeitos devastadores da pandemia sobre os empregos no campo da cultura, vários países destacaram a necessidade de criar novos modelos econômicos, especialmente para o turismo cultural. Os países também insistiram em fortalecer as sinergias entre cultura e educação, para que os alunos possam desenvolver novas habilidades, participar ativamente da vida cívica e se adaptar a um mercado de trabalho em rápida mudança. Espera-se que essas questões ocupem o centro do palco na Cúpula do G20, a ser realizada sob a Presidência italiana em 2021, que deverá fortalecer ainda mais o compromisso global de colocar a cultura no centro do espectro regulatório, com vistas a para reconstruir um mundo melhor.

Veja outras notícias
Artigo
Menu