Evo Morales: ‘democraticamente, derrotamos os golpistas’; reveja entrevista na íntegra

Breno Altman - Ópera Muni

Morales disse que deve voltar à Bolívia “logo”, mas rejeitou a ideia de assumir algum cargo no governo de Luis Arce

“Democraticamente, derrotamos os golpistas. Com a unidade do povo, com essa convicção revolucionária, com esse alto espírito democrático e pacifista, democraticamente derrotamos os golpistas e as políticas dos Estados Unidos. Fiquei surpreendido pela união do meu povo. Foi impressionante a vitória. Creio no movimento indígena, nas forças sociais do meu país”, afirmou.

Para Morales, a direita boliviana terá que aceitar a derrota. “[Em 2019] Não houve fraude, mas, sim, golpe. Mas o povo boliviano, quase 55%, disse não à discriminação, não ao racismo e sim à nossa revolução democrática e cultural, e sim ao processo de mudança. Estou seguro de que a direita vai reconhecer o triunfo de Arce. Ele já é presidente”, disse.

Reveja a entrevista de Evo Morales na íntegra:

Morales disse que deve voltar à Bolívia “logo”, mas rejeitou a ideia de assumir algum cargo no governo Arce. “Não, jamais assumiria. Vou ao Trópico de Cochabamba [região ao norte da Bolívia] para fazer agricultura, uma piscina de tambaqui”, afirmou.

Segundo ele, Arce terá uma relação de amizade com o Brasil, como aconteceu nos 14 anos em que Morales esteve no governo. “Será uma relação sempre de amizade, assim como tivemos com [o então presidente argentino Mauricio] Macri, [o presidente brasileiro Jair] Bolsonaro e [o presidente chileno Sebastián] Piñera, apesar das diferenças ideológicas e programáticas na América Latina. Precisamos trabalhar nossas diferenças”, disse.

América Latina, progressistas e recursos naturais

Para o ex-presidente boliviano, os líderes progressistas latino-americanos precisam incentivar o que chamou de “libertação em ciência e tecnologia”. Morales citou o caso do lítio, recurso natural que foi nacionalizado no país.

Veja outras notícias
Entrevistas
Menu