Governo Bolsonaro foi hostil com a Bolívia e se destrói na política externa, diz Celso Amorim

Celso Amorim Blog 247

247 – O embaixador e ex-ministro Celso Amorim falou na TV 247 sobre a destruição da política externa do governo brasileiro e, para ilustrar o péssimo momento, citou a ausência de autoridades brasileiras na cerimônia de posse do novo presidente da Bolívia, Luis Arce. 

O único brasileiro presente no ato era o embaixador do Brasil no país. Para Amorim, o fato de o governo Jair Bolsonaro não ter enviado ninguém ao evento, ou mesmo ele próprio não ter comparecido, é um gesto de hostilidade contra o país vizinho.
 
“Isso é inqualificável. A política externa tinha muito mais racionalidade do que hoje, nunca houve uma coisa igual, nunca houve. O Geisel reconheceu o governo marxista de Angola e hoje nós temos essa coisa muito triste. Gente, o Brasil é vizinho da Bolívia, o Brasil depende do gás da Bolívia, ela depende de nós também, mas nós dependemos dela. É um gesto de hostilidade. Eu acho que o Brasil, em matéria de política externa, o governo Bolsonaro, porque o Brasil é muito grande e vai sobreviver, o governo Bolsonaro está cometendo suicídio. Essas coisas não existem. É uma coisa que não tem cabimento, sem explicação”, afirmou o embaixador, que disse ainda não ficar surpreso com mais nenhuma medida diplomática de Bolsonaro. “Se você me dissesse: ‘olha, resolveram fechar o Itamaraty e alugar. Agora vai ser um cassino’, não me surpreenderia”.
 
O ex-ministro também parabenizou o presidente da Argentina, Alberto Fernández, pela atitude de levar o ex-presidente boliviano Evo Morales de volta a seu país, pela fronteira, já que estava em exílio em meio aos argentinos depois que foi deposto pelo golpe na Bolívia. 
 
“Isso é um gesto extraordinário de grandeza, é um lado de carinho humano e de grandeza de estadista, uma combinação fantástica. Sentimentos bonitos também são possíveis na política, isso me tocou muito, achei muito bonito. Foi uma cena emocionante para mim”.
Veja outras notícias
Notícias
Menu