Nossa Opinião: Porco com arroz e 5G

Instituto Telecom
No mais recente programa Greg News, Gregório Duvivier fez uma boa comparação entre os caminhos escolhidos pela China e pelo Brasil em relação ao desenvolvimento.
a) Em 18 meses de governo Bolsonaro nossa dependência da China aumentou e muito. Em 2018, a China comprou 27% de tudo o que vendemos para o exterior. No primeiro semestre de 2020, os chineses compraram 40% da exportação brasileira.
b) A China compra muito soja brasileira para que seus porcos não passem fome.
c) A demanda por soja provoca mais demanda por terra. Daí a queima criminosa de terras públicas na Amazônia e no Pantanal, com a complacência do Governo Federal.
d) Os chineses não plantam soja porque ela consome muita água, provocando um estresse hídrico (uso não sustentável da água). A água é tão mais valiosa que a soja que o governo chinês investiu 80 bilhões de dólares para levar água do sul para o norte do país. Serão 45 trilhões de litros de água transportados, por ano, para as regiões mais secas da Chinas.
e) Com a exportação de soja, o Brasil manda junto para a China mais que o dobro de água que o projeto bilionário irá carregar. Na verdade, ao importar soja os chineses estão importando água. Por isso, enquanto o Brasil queima, a China cresce.
f) Para os exportadores brasileiros de soja é ótimo que o dólar suba, pois quando o real se valoriza eles perdem. O mesmo ocorre com o arroz, que é indexado ao dólar. Daí os preços absurdos do arroz no Brasil.
g) A China está há décadas investindo pesado em educação, pesquisa e infraestrutura. Nas últimas três décadas, a China tirou 850 milhões de pessoas da pobreza. Desenvolvimento inclusivo. A cada ano o salário mínimo chinês cresce de 10% a 20% acima da inflação.
h) A China tem uma Educação pública excelente e acessível para todos. O país está no topo do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) em Matemática, Ciência e Leitura.
O Brasil poderia ter sido a China. Mas, fez várias escolhas erradas, entre elas a privatização do setor de telecomunicações, em 1998. Naquela ocasião tínhamos o único centro de pesquisa fora do eixo Europa, Japão, EUA: o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Telebrás (CPqD). Com o CPqD obtivemos o controle da tecnologia da fibra ótica, de centrais eletrônicas. Exportávamos para a China o cartão indutivo para telefone público. Hoje poderíamos estar no estado da arte da pesquisa e desenvolvimento do 5G.
Apesar de toda a adversa conjuntura brasileira, precisamos exigir que haja investimento em conhecimento e fortalecimento das universidades públicas em relação às telecomunicações/tecnologia da informação. Exigir que as operadoras de telecomunicações no Brasil não se apropriem apenas dos lucros para seus acionistas, e, sim, garantam investimento em capacitação, em conhecimento, em pesquisa. Não podemos apenas continuar a alimentar os porcos chineses e a bater continência para o governo Trump.
Veja outras notícias
Menu